Novidades

Seca ou verde? Escolha a madeira correta

Qual critério deve nortear a escolha de madeira: beleza ou resistência?

Se olharmos além da aparência, a madeira poderá conter os dois elementos.

 

Ao olhar as duas pilhas de madeiras abaixo, qual você iria preferir para sua obra?

Para os usos mais nobres, como na indústria moveleira, a madeira seca é uma obrigação e não opção. Em assoalhos e forros, caso a madeira não se encontre seca, o serviço acabado ficará deformado, empenado e com vãos. Isso acontece quando a madeira seca perde água e como consequência, perde também volume.

De acordo com o espaço que a peça possuía na árvore que a originou, existem em uma mesma peça diferentes volumes de água (a parte externa de um tronco possui quantidade maior de água se comparada ao centro), o que ocasionará os chamados empenamentos, que pode fazer com que as pessoas a troquem todo o material aplicado.

 

E para o uso comum nos telhados, existe diferença entre usar madeira seca ou verde?

Para responder esta pergunta, precisamos entender o que ocorre quando a madeira é seca. Rapidamente, podemos citar alguns pontos:

A-    Quando em secagem existe mudança dimensional. Esta mudança ocorre em todas as direções. Quando existem furos na peça (caso de um prego) a abertura poderá causar uma contração volumétrica, acarretando na deformação do material.

Desprezar a técnica atrapalha na prática. No caso da peça acima, na intenção de adiantar o trabalho, o furo de centro foi executado com broca de dez milímetros dez dias antes da necessidade do cliente, 60 dias depois o diâmetro passou a 11 milímetros.

Desprezar a técnica atrapalha na prática. No caso da peça acima, na intenção de adiantar o trabalho, o furo de centro foi executado com broca de dez milímetros dez dias antes da necessidade do cliente, 60 dias depois o diâmetro passou a 11 milímetros.

A peça, perfeita em todos os outros sentidos, teve de ser refeita, pois o termômetro ao qual ela deveria dar apoio no seu centro, com um milímetro a mais, ficaria sem fixação e com risco de queda.

B-    Quando seca, se otimiza a aplicação de verniz,  tintas, ou qualquer outro preservativo.

C-    Abaixo de 20% de umidade, é possível afirmar que o apodrecimento por fungos xilófagos é eliminado.

D-   A madeira seca tem um aumento médio de 40% da sua resistência mecânica, mas existem casos em que o benefício é muito maior, por exemplo: Na Peroba Rosa, com 0% de umidade, a resistência a compressão é de 1250 quilos por metro quadrado, já com 30% de umidade esse fator cai para apenas 620 quilos por centímetro quadrado. O limite de resistência à flexão estática do Ipê-champagne-cumaru passa de 1262 quilos por metro quadrado na madeira verde, para 1818 quilos por metro quadrado quando a madeira chega a 15% de umidade.

Somente pelo incremento da resistência mecânica que se consegue na madeira seca, o ideal de preferência é visível. Porém, observa-se ainda que, no processo de secagem, vários defeitos podem ocorrer.  Até mesmo por erro no processo.

Ao comprar madeiras secas, todos esses defeitos poderão ocorrer. O material será mais difícil de ser trabalhado, mas a obra terá qualidade assegurada no que se refere à madeira.

Por fim, se você quer valorizar sua obra e a madeira vai ficar à mostra, aparelhá-la fará com que a beleza natural seja destacada. Porém, com o processo, o tamanho da madeira poderá ser modificado.

 

E nunca se esqueça: madeira você paga por volume e não por peça, por isso, faça suas contas antes de comprá-las, pois o que parece barato pode ser muito mais caro do que você pensa.

 

Fontes:

Dados do Livro Secagem Racional da Madeira – Ed. Nobel – Antonio Paulo Mendes Galvão e Ivaldo Pontes Jankowsky turk-eczanesi.com.

Tabelas de Propriedades Físicas e Mecânicas – IPT – Instituto de Pesquisas Tecnológicas de São Paulo – Dr. João Peres Chimelo e Calvino Mainieri

Mais fotos: