Novidades

Riquezas de um país chamado Brasil

Há cerca de quatro anos, uma empresa brasileira acertou, com a famosa marca Louis Vuitton, a entrega do piso de madeira de 350 lojas da rede. Em seguida, a Torre Sail Marina, em Cingapura, comprou também de terras brasileiras, 40.000 metros quadrados de piso de madeira, da espécie conhecida como Ipê champanhe ou Cumaru champanhe.

Isso mostra que o Brasil é um produtor de riquezas incontáveis e que nem sempre são reconhecidas por nós brasileiros. Temos uma cultura que valoriza a proteção ao meio ambiente e coloca a riqueza florestal do país como um cartão postal, como uma riqueza sagrada a ser intocada. Não que o desmatamento seja uma prática do bem; o ponto ressaltado aqui é o da madeira legal, que é retirada da natureza sem causar maiores danos à mesma.

A madeira, abundante em nosso país, tem suas vantagens para com a responsabilidade ambiental. A isolação térmica em uma construção de madeira, por exemplo, comparada a uma de concreto, gera 30% de economia em energia utilizada para refrigeração. Isso se deve a presença de uma propriedade isotérmica na madeira, que faz com que esta se mantenha quente quando exposta ao frio, e/ou menos quente em relação a locais com temperaturas elevadas.

Após a conferência da Rio 92 e do protocolo de Kyoto, em 1997, em virtude de buscar maior responsabilidade sobre a emissão de CO2 (dióxido de carbono) na atmosfera, vários países incentivaram a construção de casas, escolas e até hospitais em madeira. Mas, não é somente isso. Dos materiais comumente utilizados na construção civil, a madeira é a única que retira CO2 da atmosfera. Vejam:

A energia que a floresta utiliza para crescer, através da fotossíntese, retira justamente este gás que causa o efeito estufa.

Temos no mundo 4,5 bilhões de hectares de florestas – quase cinco vezes o tamanho do território brasileiro – porém, deste total, 45 % são coníferas. O Brasil é o maior detentor de folhosas, que produzem madeiras nobres. O crescimento biológico estimado nas florestas mundiais é de 80.000.000 m/3 anuais, enquanto o corte está situado em 50.000.000 m/3 por ano.  Portanto, temos um potencial renovável que permite aumentar a utilização em mais de 60% e, ainda assim, a produção será perfeitamente sustentável.

Demos um grande passo ao aprovar um novo Código Florestal oesterreichischeapotheke.com. Muitas leis, decretos e regulamentações ultrapassadas geravam insegurança nos diversos setores ligados ao meio ambiente e ao campo. Entretanto, a agricultura e a silvicultura viveram momentos de insegurança. Isso porque áreas onde se plantava café e arroz há mais de 300 anos passaram a ser vistas como irregulares.

Deve-se considerar que o principal para o nosso futuro é o respeito pelo meio ambiente, é consumir com consciência aquilo que o planeta tem suporte de produção, sem dizimar reservas.

Quanto à madeira lembre-se: nosso planeta tem um crescimento biológico muito acima do que consumimos. Será que todos os setores de produção poderiam assumir o compromisso de consumir somente o que o mundo oferece?

Somos ricos, porém nunca esbanjadores. Hoje, podemos ter em nossas construções o que o mundo todo quer: madeira de qualidade. E tudo isso com Documento de Origem Florestal (DOF) e respeitando as leis ambientais brasileiras.